segunda-feira, 31 de janeiro de 2011


Curso de Roberto Romano, primeiro semestre de 2011, Estética, Graduação em Filosofia. IFCH-Unicamp.

INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS
CURSO DE GRADUAÇÃO EM FILOSOFIA

1° ° Semestre de 2011.

DISCIPLINA

CÓDIGO / TURMA NOME
HG616 A Tópicos Especiais de Estética III

PRÉ-REQUISITOS
AA200/ HG403

CARGA HORÁRIA: (Nº DE HORAS POR SEMANA)
TEORIA: 04 PRÁTICA: 00 LABORATÓRIO: 00 ORIENTAÇÃO: 02 ESTUDO: 00
ATIVIDADE À DISTÂNCIA: 00 HORAS AULA EM SALA: 04 CRÉDITOS: 06

HORÁRIO:
Sextas feiras, das 8h00 às 12h00 horas.

PROFESSOR (A) RESPONSÁVEL
Roberto Romano


EMENTA
O curso de propõe a desenvolver tópicos em estética, a partir de textos clássicos pertinentes, de acordo com as pesquisas em andamento no departamento de Filosofia.


PROGRAMA
O curso será norteado pela leitura de O Sobrinho de Rameau, de Denis Diderot. Será concedida atenção maior aos entrecruzamentos da ordem estética (música, poesia, teatro, romance) com a ordem ética (a crítica dos costumes) e filosófica (noções de verdade e mentira, ser e não ser, aparência e realidade). Os textos fundamentais de Diderot, na três ordens, serão movidos pelo professor nas aulas expositivas. Bibliografia pertinente será indicada a cada novo passo das aulas.


PLANO DE DESENVOLVIMENTO

No primeiro momento os estudantes lerão o texto O Sobrinho de Rameau. Depois analisarão as interpretações exemplares do referido texto. Finalmente, lerão com ajuda do professor os escritos éticos, estéticos e filosóficos de Diderot. Escritos do século 18 francês e inglês também serão utilizados nas aulas e nas leituras de biblioteca e de casa, pelos estudantes, com indicação, caso a caso, pelo professor.


BIBLIOGRAFIA
Belaval, Yvon : L´Esthétique sans paradoxe de Diderot (Paris, Gallimard, 1950).
Cammagre, Geneviève (Ed.) : Diderot, l ´expérience de l ´art (Paris, PUF, 2007).
Chouillet, Jacques : La formation des idées esthétiques de Diderot ((Paris, Armand Colin, 1973).
Chouillet, Anne : Autour du Neveu de Rameau (Genève, Slatkine, 1991).
Daniel, Georges : Le style de Diderot (Paris, Genève-Droz, 1986). Estève, Laurent : Montesquieu, Rousseau, Diderot : du genre humain au bois d´ébène
(Paris, Unesco Ed.2002)
Fried, Michael : Absortion and Theatricality (Chicago/London, The University of Chicago
Press, 1980).

Gaillard, Aurélia : “Pour décrire un Salon” : Diderot et la peinture,1759-1766 (Paris,
Presses Universitaires de Bordeaux, 2007).
Guinsburg, Jacó : Diderot e o espírito das luzes (São Paulo, Ateliê ed. 2001)
Ibrahim, Annie : Diderot et la question de la forme (Paris, PUF, 1999).
Kempf, Roger : Diderot et le roman (Paris. Seuil, 1964).
Lepape, Pierre : Diderot (Paris, Flammarion, 1991)
Magnan, André : Rameau le neveu, textes et documents (Paris, CNRS Litterature, 1993).
Révue Philosophique : Diderot (número 3, 1984).

Saint-Amand, Pierre: Diderot, le labyrinthe de la relation (Paris, Vrin, 1984).
Sejten, Anne Elisabeth : Diderot, ou le défi esthétique (Paris, Vrin, 1999)
Schmitt, Eric-Emmanuel : Diderot, ou la philosophie de la séduction (Paris, Albin michel,
1997)
Stenger, Gerhardt : Nature et liberté chez Diderot (Paris, Universitas, 1994)
Versini, Laurent : Diderot, alias Frère Tonpla (Paris, Hachette, 1996)
Wilson, Arthur : Diderot, the testing years, 1713-1759 (New York, Oxford University
Press, 1957). (tradução francesa : Diderot, sa vie et son oeuvre, Paris, Laffont/Ramsay,
1985).

Diderot, Denis :

- Oeuvres, Tome IV, Esthétique-Théatre (Laurent Versini Ed. Paris, Robert Laffont, 1996).
- Oeuvres, Tome II, Contes (Laurent Versini Ed. Paris, Robert Laffont, 1994).
- Bonnet, Jean-Claude (Ed.) : Diderot, textes et débats (Paris, Le livre de poche, 1984).
- Fabre, Jean (Ed.) : Le Neveu de Rameu, édition critique avec notes et lexique (Genève,
Droz, 1977).
-Guinsburg, J. (Ed.) : Diderot, obras II - Estética, poética e contos (São Paulo, Ed.
Perspectiva, 2000).
-Vernière, P. (Ed.) : Oeuvres esthétiques (Paris, Garnier, 1988).


FORMAS DE AVALIAÇÃO
Duas provas escritas (com avaliação oral). Um exame escrito final.

Oh! Não! Lá vem o Sarney e os donos do Brasil para tirar nossa paz! Façamos um ritual para expulsar os maus espiritos!


Gleison Miranda/Funai/Survival

The New York Times.

Cairo Protesters Urge Mass Rally on Tuesday

Peter Macdiarmid/Getty Images

Mohamed ElBaradei, the Nobel laureate and opposition leader, joined the protesters in Liberation Square in Cairo. More Photos »

CAIRO — Egyptian opposition groups gathered on Monday for a seventh day in the central Liberation Square, seeking to maintain the momentum of their uprising against President Hosni Mubarak as the army struggled to control a capital seized variously by fears of chaos and euphoria that change may be imminent.

Multimedia
The Times's Nicholas Kulish on the Scene in Alexandria, Egypt
Room For Debate

What Can the Protests in Egypt Achieve?

Will the uprisings change the country’s future?

Emilio Morenatti/Associated Press

An Egyptian army soldier tried to stop anti-government protesters as they walked towards Liberation Square in Cairo on Sunday. More Photos »

Readers' Comments

Organizers said they were calling for the largest demonstrations yet — a “march of millions” — on Tuesday, seen as an attempt to retake the initiative in the face of a government campaign to cast the uprising as an incubator of lawlessness after several nights of looting.

As an early mist hung over the Tahrir, or Liberation, Square, new protesters marched into the throng, joining those who had stayed there all night in defiance of a curfew that the authorities are now seeking to enforce an hour earlier in the day. Their numbers appeared to exceed those of previous days, despite an apparent effort by the military to impose some kind of authority and corral the protesters into a narrower space.

“Come down Egyptians!” chanted one highly organized group of hundreds of demonstrators who headed to the square after noon prayers. The group, led by older men, linked hands and kept to one lane of traffic, allowing cars to pass.

Unlike previous days, members of the outlawed Muslim Brotherhood appeared to have increased their presence as smaller organized protests converged and swelled to thousands of people.

Army troops checked the identity of people entering the square and threw a cordon of razor wire around its access routes, news reports said, but there were no immediate reports of clashes with protesters who have cast the military as their ally and protector. As military helicopters circled overhead, demonstrators jabbed their fists in the air. “The people and the army are one hand,” protesters chanted.

Despite the uneasy calm, many protesters anticipated at least the possibility of violence on Monday as for the first time in three days, security police redeployed and clustered near the entrances to the square.

“I brought my American passport today in case I die today,” said Marwan Mossaad, 33, a graduate student of architecture with dual Egyptian-American citizenship. “I want the American people to know that they are supporting one of the most oppressive regimes in the world and Americans are also dying for it.”

Witnesses in Alexandria, Egypt’s second city on the Mediterranean coast, said police had also returned to the streets, though in small numbers accompanied by soldiers.

At Cairo airport, American Embassy officials said, a voluntary evacuation of Americans — including dependents of government officials in Egypt, some diplomats and private citizens — got underway on Monday with a first flight leaving for Larnaca, Cyprus, as passengers waited to board five more due for other unspecified destinations described as safe havens.

Israel, meanwhile, was reported to have called on the United States and a number of European countries over the weekend to mute criticism of Mr. Mubarak to preserve stability in the region, according to the Israeli newspaper Haaretz.

But an Israeli government official, speaking on condition of anonymity because of the delicacy of the issue, said that the Haaretz report does not reflect the position of the prime minister, Benjamin Netanyahu. Mr. Netanyahu spoke cautiously in his first public remarks on the situation in Egypt, telling his cabinet that the Israeli government’s efforts were “designed to continue and maintain stability and security in our region.”

“I remind you that the peace between Israel and Egypt has endured for over three decades and our goal is to ensure that these relations continue,” he said on Sunday as Egypt’s powerful Muslim Brotherhood and the secular opposition banded together around a prominent government critic to negotiate for forces seeking the fall of Mr. Mubarak.

The announcement that the critic, Mohamed ElBaradei, would represent a loosely unified opposition reconfigured the struggle between Mr. Mubarak’s government and a six-day-old uprising bent on driving him and his party from power.

Though lacking deep support on his own, Dr. ElBaradei, a Nobel laureate and diplomat, could serve as a consensus figure for a movement that has struggled to articulate a program for a potential transition. It suggested, too, that the opposition was aware of the uprising’s image abroad, putting forth a candidate who might be more acceptable to the West than beloved in Egypt.

Kareem Fahim, Liam Stack, Mona El-Naggar and Dawlat Magdy contributed reporting from Cairo, and Isabel Kershner from Jerusalem.

Estado. Les faits sont faits, dizem os franceses. De fato, de fato...

Seções
Arquivos

Prefeitura anistia imóvel irregular da família Kassab

  • 30 de janeiro de 2011 |

Fachada da firma, na Rua Leandro Dupré, 765, Saúde (Foto: Ayrton Vignola/AE)

FABIO LEITE

O imóvel que pertence à construtora da família do prefeito Gilberto Kassab (DEM) teve uma área irregular anistiada pela Prefeitura cerca de dois anos após o pedido de regularização haver sido rejeitado e o prazo para recurso, vencido. Pela lei, os responsáveis pelo prédio deveriam ter sido multados e o local, fechado. Mas documentos obtidos pelo Jornal da Tarde revelam que, em agosto de 2008, quando Kassab já havia sido empossado, o processo foi considerado extraviado, reconstituído e aprovado em nove dias. A assessoria do prefeito informou que a regularização “atendeu integralmente a legislação vigente”.

No local funciona a Yapê Engenharia, que tem como sócios Kassab (com 80% do capital da empresa) e três irmãos. O nome da companhia é resultado da união das iniciais dos pais do prefeito, Yacy e Pedro. Dos 309,82 m² de área construída, apenas 80 m² estavam regulares em outubro de 2003, durante a gestão Marta Suplicy (PT). Kassab, então, deu entrada no requerimento para regularizar 229,82 m², com base na Lei de Anistia, que beneficiava construções concluídas irregularmente até 13 de setembro de 2002.

À época, a empresa chamava-se R&K Engenharia, uma sociedade entre Kassab e o amigo e advogado Rodrigo Garcia. Naquele ano o atual prefeito era deputado federal e Garcia, estadual, ambos pelo PFL (hoje DEM). Garcia deixou a sociedade em 2007 – hoje ele é deputado federal. Os dois assinaram o pedido de regularização enviado à Subprefeitura da Vila Mariana, responsável por avaliar imóveis de até 1,5 mil m² na região.

Pedido negado
Em 8 de março de 2006, o pedido foi indeferido pela subprefeitura pelo “não atendimento ao comunique-se”, ou seja, abandono do processo. Kassab, então vice-prefeito, teve 60 dias, conforme a lei, para pedir reconsideração do despacho, mas não o fez. O indeferimento final foi publicado em junho e o processo, arquivado. A partir daí, pela Lei 13.885/04, a Prefeitura deveria emitir um auto de infração, lançar a área como irregular, aplicar multa e lacrar o imóvel, mas nada disso foi feito.

Em 30 de agosto de 2007, a Secretaria de Habitação (Sehab), comandada por Orlando Almeida, atual secretário de Controle Urbano, pasta que fiscaliza imóveis irregulares, pediu a íntegra do processo à subprefeitura. A papelada ficou engavetada na Sehab por quase um ano no Departamento de Aprovação de Edificações (Aprov), embora a análise do caso fosse atribuição da subprefeitura – a Sehab cuida de imóveis com mais de 1,5 mil m² para uso comercial, como a empresa de Kassab.

‘Extravio’
Em 13 de agosto de 2008, durante as eleições municipais, a Comissão Permanente de Processos Extraviados (CPPE), subordinada à Secretaria de Gestão, declarou o processo da Yapê Engenharia extraviado. No dia seguinte, a seção técnica do órgão publicou memorando relatando que o processo foi “parcialmente reconstituído” e o encaminhou novamente à Sehab.

No dia 22 de agosto, o Aprov 2, que analisa edifícios comerciais acima de 1,5 mil m², informou que o processo foi “considerado em ordem para aprovação”. No mesmo dia, a diretora substituta do Aprov-G à época, Lúcia de Sousa Machado, publicou despacho expedindo o auto de regularização da empresa de Kassab.

‘Dentro da lei’
Em nota enviada por e-mail, a assessoria de imprensa de Kassab informou que o processo de regularização do imóvel que pertence a uma construtora da família dele “atendeu integralmente a legislação vigente.”

Segundo a nota, o pedido de anistia para o imóvel “foi protocolado pelo contribuinte em outubro de 2003, com base na Lei da Anistia” e “a aprovação seguiu rigorosamente a lei específica, estando todos os tributos incidentes sobre o imóvel, cuja titularidade é de empresa legalmente constituída e gerida por administradores eleitos nos termos do Código Civil, em dia.”

Procurado na sede da Yapê Engenharia, na Saúde (zona sul), o administrador da empresa, Carlos Alberto Fonseca, disse desconhecer o caso e que não falaria com a reportagem. Já a arquiteta Lúcia de Sousa Machado, que deferiu o pedido de regularização em agosto de 2008, recusou-se a falar sobre o assunto. “Servidor público não pode dar entrevistas”, disse por telefone.

Espero, sinceramente, que a nova política externa honre o que vem prometendo. Ela terá nosso apoio, com certeza.

Itamaraty consulta diplomatas sobre nova política

Ministro Antônio Patriota encaminhou a embaixadores pedido de reavaliação das relações do Brasil com EUA, Irã e regimes autoritários

31 de janeiro de 2011 | 1h 06

Jamil Chade

Por ordem do ministro das Relações Exteriores, Antônio Patriota, os principais departamentos do Itamaraty, as embaixadas e a missão do Brasil na Organização das Nações Unidas preparam uma reavaliação da política externa brasileira. Esse trabalho, com conclusão prevista para março, tratará de temas como os direitos humanos em países de regimes autoritários, o papel do Brasil nas questões relacionadas ao Irã e o relacionamento com os Estados Unidos.

O Estado obteve informações sobre o despacho confidencial enviado por Patriota aos diplomatas brasileiros com representantes do País na Europa e no Oriente Médio. Essa ordem teria partido depois de uma conversa entre o ministro e a presidente Dilma Rousseff, que já fez declarações na contramão de seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva, por exemplo, em relação à condenação da iraniana Sakineh Ashtiani. Para Dilma, os direitos humanos não são negociáveis.

Com esse levantamento, avaliam os diplomatas ouvidos pela reportagem, a política externa brasileira daria mais relevância a princípios e valores defendidos domesticamente no Brasil que teriam sido deixados de lado nos últimos anos, além de repensar a relação bilateral com uma série de países.

A gestão do ex-chanceler Celso Amorim no Itamaraty promoveu uma aproximação inédita com o Oriente Médio e a África. Se, por um lado, essa política trouxe benefícios comerciais - como a multiplicação por dez nas trocas do Brasil com o Egito ou o movimento de US$ 2 bilhões anuais com o Irã -, por outro não faltaram críticas à posição do País de não reprovar publicamente violações de direitos humanos cometidos por regimes autoritários.

Uma das críticas mais duras ao Brasil - que cobiça um lugar permanente no Conselho de Segurança da ONU - veio da Anistia Internacional. "O problema é que, nesse caminho, o Brasil parece ter se esquecido de seus próprios valores internos, do fato de ser uma democracia e de ter lutado contra uma ditadura", afirmou a entidade em nota.

No despacho confidencial, Patriota pediu avaliação completa sobre o status da relação do Brasil com o Irã e quais pontos devem passar por alguma modificação. O País deve manter sua posição de que os emergentes têm direito a desenvolver tecnologia nuclear, mas tende a admitir que o processo negociador com os iranianos não tem surtido o resultado esperado. Nesse cenário também estão em discussão questões relacionadas a violações de direitos humanos no regime dos aiatolás.

Estados Unidos. Para completar, a revisão da política externa tocará em outro tema delicado: a imagem de que haveria um sentimento antiamericano permeando a diplomacia brasileira. anos. Telegramas da embaixada dos Estados Unidos em Brasília revelados pela organização WikiLeaks demonstraram preocupação por parte dos diplomatas americanos nesse sentido.

Ex-embaixador do Brasil em Washington, Patriota vê com mais otimismo uma maior cooperação entre a Casa Branca e o Palácio do Planalto. Em março, o presidente dos EUA, Barack Obama viajará para o Brasil e o ministro já gostaria de dar sinais dessa reavaliação da diplomacia do País nessa viagem.

O QUE DEVE MUDAR

Regimes autoritários

Depois de fazer vista grossa para violações de direitos humanos, o País deve adotar tom crítico em relação a governos não democráticos, principalmente na África e no Oriente Médio.

Armas nucleares

O Brasil manterá a posição de que países emergentes têm o direito de desenvolver programas de tecnologia nuclear, mas tende a reavaliar a opção de buscar apenas o caminho da negociação com o Irã para evitar o desenvolvimento de bombas.

Relações com os EUA

Nos últimos anos, Brasil e Estados Unidos divergiram em diversos temas no cenário internacional. A tendência agora é de mais diálogo e alinhamento da política externa dos dois países.

Marta Bellini.

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Carta Aberta ao Presidente Barack Obama



An Open Letter to President Barack Obama
do Blog de Joana Lopes, ENTRE AS BRUMAS DA MEMÓRIA AQUI

Dear President Obama:


As political scientists, historians, and researchers in related fields who have studied the Middle East and U.S. foreign policy, we the undersigned believe you have a chance to move beyond rhetoric to support the democratic movement sweeping over Egypt. As citizens, we expect our president to uphold those values.


For thirty years, our government has spent billions of dollars to help build and sustain the system the Egyptian people are now trying to dismantle. Tens if not hundreds of thousands of demonstrators in Egypt and around the world have spoken. We believe their message is bold and clear: Mubarak should resign from office and allow Egyptians to establish a new government free of his and his family’s influence. It is also clear to us that if you seek, as you said Friday “political, social, and economic reforms that meet the aspirations of the Egyptian people,” your administration should publicly acknowledge those reforms will not be advanced by Mubarak or any of his adjutants.


There is another lesson from this crisis, a lesson not for the Egyptian government but for our own. In order for the United States to stand with the Egyptian people it must approach Egypt through a framework of shared values and hopes, not the prism of geostrategy. On Friday you rightly said that “suppressing ideas never succeeds in making them go away.” For that reason we urge your administration to seize this chance, turn away from the policies that brought us here, and embark on a new course toward peace, democracy and prosperity for the people of the Middle East. And we call on you to undertake a comprehensive review of US foreign policy on the major grievances voiced by the democratic opposition in Egypt and all other societies of the region.


Sincerely,

domingo, 30 de janeiro de 2011

The New York Times. Sempre a raison d´État caolha. Na incerteza, "melhor" ficar com os ditadores. Quando os EUA notam, os fanáticos assumem.

Obama Presses for Change but Not a New Face at the Top

WASHINGTON — President Obama’s decision to stop short, at least for now, of calling for Hosni Mubarak’s resignation was driven by the administration’s concern that it could lose all leverage over the Egyptian president, and because it feared creating a power vacuum inside the country, according to administration officials involved in the debate.

In recounting Saturday’s deliberations, they said Mr. Obama was acutely conscious of avoiding any perception that the United States was once again quietly engineering the ouster of a major Middle East leader.

But after the president and his advisers met early Saturday afternoon in the Situation Room, Mr. Obama, through a description of the session issued by the National Security Council, once again urged Mr. Mubarak to refrain from violence against the protesters and to support “concrete steps” that advanced political reform within Egypt. He did not define what those steps should be or whether the White House believed they could take place while Mr. Mubarak was in office.

According to senior administration officials at the meeting, Mr. Obama warned that any overt effort by the United States to insert itself into easing Mr. Mubarak out, or easing a successor in, could backfire. “He said several times that the outcome has to be decided by the Egyptian people, and the U.S. cannot be in a position of dictating events,” said a senior administration official, who like others, would not speak for attribution because of the delicacy of the discussions.

The administration’s restraint is also driven by the fact that, for the United States, dealing with an Egypt without Mr. Mubarak would be difficult at best, and downright scary at worst. For 30 years, his government has been a pillar of American foreign policy in a volatile region, not least because of Egypt’s peace treaty with Israel. American officials fear that a new government — particularly one dominated by the Muslim Brotherhood or other Islamist groups — may not honor the treaty signed in 1979 by Mr. Mubarak’s predecessor, Anwar el-Sadat.

Mr. Sadat was assassinated two years later, paving the way for Mr. Mubarak. “Clearly Mubarak’s time has run out,” said one of Mr. Obama’s advisers. “But whether that means he allows a real political process to develop, with many voices, or whether he steps out of the way — that’s something the Egyptians need to decide. We don’t get a vote.”

This is hardly the first time that Washington has faced the crisis of how to deal with an uprising against a hard-line, dictatorial or corrupt ally. Some officials have compared what is unfolding in Egypt with the uprisings more that three decades ago that led to the ouster of Iran’s shah, and the protests in the Philippines that brought down Ferdinand Marcos.

In Iran, Washington gambled on the emergence of a government that it could work with, and lost — a process that one member of the Obama cabinet, Defense Secretary Robert M. Gates, was deeply involved in as a young aide in the Carter administration. In the Philippines, the result was a messy democracy.

In the past, Mr. Mubarak has thrown the example of Iran in the face of American officials — perhaps as a warning not to press him too hard. In 2009, just before Mr. Mubarak came to Washington, the American ambassador to Cairo at the time, Margaret Scobey, noted in a cable to the State Department, “We have heard him lament the results of earlier U.S. efforts to encourage reform in the Islamic world.”

“Wherever he has seen these U.S. efforts, he can point to the chaos and loss of stability that ensued,” said the cable, one of a trove collected by WikiLeaks. “In addition to Iraq, he also reminds us that he warned against Palestinian elections in 2006 that brought Hamas (Iran) to his doorstep.”

Obama administration officials would like to see a moderate and secular government emerge from the ashes of the Egyptian crisis. But in large part because Mr. Mubarak stifled so much political debate and marginalized any opposition, there is no middle ground in Egypt’s politics, no credible secular party that grew up in opposition to Mr. Mubarak’s government. Instead, there is the army, which has long supported Mr. Mubarak’s government, and on the other end of the spectrum, the Islamist Muslim Brotherhood.

That means that if free elections were held today, Egyptians would have to choose between two extremes, neither of which is attractive to the United States.

“We should not press for early elections,” Stephen J. Hadley, the national security adviser to President Bush, said in an interview. “We should give the Egyptian people time to develop non-Islamic parties. The point is to gain time so that civil societies can develop, so when they have an election, they can have real choices.”

Mr. Hadley said that given the choice, Egyptians might well settle on a hybrid government that might include the Muslim Brotherhood and a secular majority willing to continue to live by the 1979 peace treaty with Israel.

Some officials have clearly begun to think about the many possibilities that could emerge should Mr. Mubarak depart from the presidential palace, including a government led by his newly installed vice president, Omar Suleiman, the country’s intelligence chief. American officials say that Mr. Suleiman has been described as more opposed to wide-ranging reforms than Mr. Mubarak. “Shifting the chairs for longtime supporters of Mubarak is not the kind of ‘concrete reform’ that the president is talking about,” one senior official said.

Another possibility, American officials say, would be a transitional government led by an outsider, perhaps Mohamed ElBaradei, the former director general of the International Atomic Energy Agency, who flew back to Cairo several days ago.

Mr. ElBaradei, who has not lived in Egypt for years, has little connection to the protesters. A frequent critic of United States policy, he could form a caretaker government in preparation for an election. As one American official said, “He’s shown an independence from us that will squelch any argument that he’s doing our bidding.”


Estado de São Paulo

Início do conteúdo

Igreja Católica no Brasil vive desafios e esperança

Evasão de fiéis e secularização enfraquecem Igreja, que vê alento nos movimentos carismáticos

30 de janeiro de 2011 | 0h 00

José Maria Mayrink - O Estado de S.Paulo

A Igreja Católica vive uma crescente tensão interna por causa da evasão de fiéis e da distância entre sua pregação e a prática religiosa. A revelação, em novembro, de que a instituição ocupa o segundo lugar em credibilidade, abaixo apenas das Forças Armadas, conforme pesquisa da Fundação Getúlio Vargas (FGV), entusiasma o episcopado, embora alguns teólogos e assessores da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) atribuam essa boa imagem não a seu desempenho, mas ao descrédito de concorrentes, especialmente da classe política.

Veja também:
link
João Paulo II e Bento XVI moldaram episcopado atual
linkFiéis ignoram norma moral e sexual

A pesquisa da FGV prova, na avaliação do professor Felipe de Aquino, membro do movimento carismático Associação Canção Nova, que a Igreja mantém seu prestígio na sociedade. "A grande maioria do povo se professa católica, respeita e acata posicionamentos morais", argumenta. A Renovação Carismática Católica e outros grupos, como o Opus Dei e as novas comunidades , seguem o Vaticano. "Em questões políticas pode haver divergências, mas mesmo assim a Igreja tem voz ativa, como ocorreu no caso da aprovação da Lei da Ficha Limpa", observa Aquino.

Outro exemplo recente foi a tomada de posição de parte do episcopado durante a campanha presidencial. Alguns bispos, como d. Luiz Gonzaga Bergonzini, de Guarulhos, combateram Dilma Rousseff com o argumento de que ela e seu partido eram favoráveis à descriminalização do aborto. A crítica repercutiu na imprensa, sobretudo depois que o papa Bento XVI aconselhou os bispos a saírem às ruas em defesa da defesa da vida, num discurso interpretado por d. Bergonzini como apoio à sua atitude.

Houve reação a esse posicionamento dentro da própria Igreja, o que demonstra como ela está dividida. "Foi um espanto os três bispos da presidência do Regional Sul 1 (São Paulo) recomendarem um texto de condenação da candidatura de Dilma Rousseff nas eleições, apoiando d. Bergonzini, porque se jogou fora a colegialidade, fugindo à orientação da CNBB, quando d. Geraldo Lyrio Rocha (presidente da entidade) teve de dizer que cada bispo faz o que quer", reagiu o padre José Oscar Beozzo, teólogo e respeitado historiador da Igreja. "É um sintoma de que não há consenso, os bispos quebraram uma tradição de mais de 45 anos", acrescentou.

Essa intromissão na campanha eleitoral incomodou, mas não deverá impedir um bom relacionamento com o novo governo, na avaliação de d. Joaquim Mol, bispo auxiliar de Belo Horizonte e reitor da Pontifícia Universidade Católica de Minas. "Não diria que a Igreja tenha perdido a capacidade de diálogo, apesar de alguns arranhões, porque isso poderá ser recuperado, sem sequelas", disse o bispo. Em sua opinião, mais do que prestígio, é a sua estatura moral que a Igreja deve preservar, nas relações com a sociedade e com o governo.

"A Igreja sempre falou de política, sempre defendeu valores éticos", afirmou d. Mol, lembrando a força de vozes da hierarquia que se destacaram contra a ditadura militar e aquelas que atualmente se levantam em defesa dos pobres. "Havia gente de outra linha, até bispos muito afinados com o regime militar." O que chamou a atenção nas eleições de 2010 foi o fato de ter prevalecido uma voz de membros da Igreja contra um dos candidatos, de maneira contundente e direta. "Quando há dois candidatos e se diz para não votar em um, é como se dissesse para votar no outro, sem alternativa", criticou o bispo.

Para o padre Manoel Godoy, diretor do Instituto de Teologia Santo Tomás de Aquino, em Belo Horizonte, o fato de Bento XVI ter aconselhado os bispos brasileiros, na véspera do segundo turno das eleições, a saírem às ruas em defesa da vida, contra o aborto, "foi um paradoxo, um episódio contra o toque de recolher ao qual a CNBB vem sendo submetida nos últimos anos".

Disputa interna. O dominicano Carlos Alberto Libânio Christo, o Frei Betto, atribui a uma disputa interna no episcopado a polêmica criada em cima da discussão sobre o aborto. "Acredito que todo esse conflito à sombra do processo eleitoral tinha como alvo não evitar a eleição da Dilma, mas assegurar aos conservadores a vitória da eleição na CNBB", afirmou o teólogo e ex-assessor do presidente Lula no programa Fome Zero.

As denúncias de pedofilia no clero repercutiram relativamente pouco no Brasil, porque os casos ocorridos aqui foram poucos, em comparação com outros países. "Se a Igreja já vinha sofrendo uma crise de credibilidade, a pedofilia aprofundou essa crise e não adianta dizer que a pedofilia está presente na família e no mundo civil, porque o padre foi trabalhado, desde o século 16, como um alter Christus ("outro Cristo"), uma figura tão exaltada que é impossível deixar de haver consequências", disse o padre Godoy. Com a ressalva de que não tem "a mentalidade conspiracionista" de achar que a imprensa é contra a Igreja, ele admite que a repercussão da pedofilia é inevitável, por causa da imagem de pessoa venerada, culta e sábia que se criou do padre.



E por falar em poesia, equilíbrio, crianças, no Blog de Marta Bellini...

sábado, 29 de janeiro de 2011

Lá em Porto Ferreira, minha jaboticaba...

Iasmin, minha sobrinha neta. Na jaboticabeira de Porto Ferreira, SP.

Images & Visions. O equilibrio e a poesia da vida, as crianças, os cachorros.

http://1.bp.blogspot.com/_q08M1ajACHg/TUVOuDAh5UI/AAAAAAAALps/oaHX0oL4yIo/s1600/august%2Bsander.bmp

domingo, 30 de janeiro de 2011

Foto de Domingo: August Sander


© Foto de August Sander. Forester’s Child, Westerwald, 1931.
Veja mais fotos de August Sander Aqui

sábado, 29 de janeiro de 2011

Como chegou, segue.

Prioridade normal ADIN do Voto Impresso - Petição Pública

De:
Amilcar Brunazo Filho

Cancelar Continuar
Cidadãos brasileiros,

Em setembro de 2009, o Fórum do Voto Eletrônico criou a Petição online:
"Pela Auditoria Independente do Software nas urnas eletrônicas"
que solicitava ao Presidente para SANCIONAR SEM VETOS o Artigo 5º da Lei 12.34/2009 que criou a Auditoria do Resultado Eleitoral independente do software das urnas eletrônicas por meio da recontagem do Voto Impresso Conferido pelo Eleitor .

O Art. 5º da lei 12.034 permite que a sociedade civil possa conferir o resultado da eleição eletrônica de forma automática e independente do administrador eleitoral e é por esse motivo que sofre plena oposição da Autoridade Eleitoral que prefere não ver conferido e auditado o resultado eleitoral que publica.

A petição de 2009 angariou mais de 1200 assinaturas em menos de uma semana e atingiu pleno sucesso.

Apesar de toda a pressão da cúpula da Justiça Eleitoral, seus argumentos não convenceram o Poder Legislativo e o Poder Executivo, e o Artigo 5º da Lei 12.034/2009 foi aprovado e sancionado.

Inconformados com a derrota, os juízes que compõe a cúpula da Autoridade Eleitoral, desprezando o Princípio da Independência dos Poderes, se movimentaram derrubar o Artigo 5º da lei 12.034.

Por meio do Colégio de Presidentes dos Tribunais Eleitorais provocaram a abertura de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade, chamada de ADIN do Voto Impresso, que pretendem seja julgada por eles próprios, enquanto juízes do STF.

Assim, o Fórum do Voto Eletrônico agora criou a Petição online:
"Pela Auditoria do Resultado Eleitoral independente do software das urnas"
que pode ser acessada pelo endereço:
http://www.peticaopublica.com/?pi=UE2011BR
Os termos dessa petição estão transcritos abaixo e o Fórum do Voto Eletrônico pede a cada cidadão brasileiro que queira defender seu direito de conferir o destino do seu voto, assinar em apoio a esta nova petição.

Subscreva a petição em:
http://www.peticaopublica.com/?pi=UE2011BR
e divulge-a pelos seus contatos.

Grato por sua atenção,

Fórum do Voto Eletrônico
www.votoseguro.org

SEI EM QUEM VOTEI,
ELES TAMBÉM,
MAS SÓ ELES SABEM QUEM RECEBEU MEU VOTO
-----------------------------------------------------------------------------

Petição Pela Auditoria do Resultado Eleitoral independente do software das urnas
http://www.peticaopublica.com/?pi=UE2011BR

Excelentíssimo Sr. Presidente do Supremo Tribunal Federal,

Solicita-se que a petição abaixo seja enviada ao ministro-relator da ADI 4543, a ADIN do Voto Impresso, e aos demais ministros do STF.

Petição

A ADI 4543, ADIN do Voto Impresso, apresentado pelo PGR em 24/01/2011 atendendo pedido do Colégio de Presidentes dos Tribunais Eleitorais, contém severas impropriedades em seus argumentos conforme se descreve, sucintamente, a seguir.


1) Extrapolação do Efeito por Generalização Indevida

A ADI 4543 pretende que seja declarada a inconstitucionalidade de todo Artigo 5º da Lei 12.034/2009, que cria a Auditoria Automática do Resultado Eleitoral independente do software e por meio do Voto Impresso Conferido pelo Eleitor, mas nos termos dessa ADI só são apresentados argumentos contra os §§ 2º e 5º do referido artigo.

Mesmo se fossem corretos tais argumentos, não há justificativa para a decretação de inconstitucionalidade de todo o artigo 5º, incluindo-se seu caput e os §§ 1º, 3º e 4º, que têm aplicabilidade e vida própria independente dos parágrafos criticados.


2) Garantia da Inviolabilidade do Voto

A denúncia de violabilidade do voto provocada pelo questionado § 2º, o qual determina que DEPOIS DA CONFERÊNCIA DO VOTO IMPRESSO PELO ELEITOR este voto seja autenticado por um número único associado à assinatura digital da própria urna, está equivocada por supor que tal número seria visível, legível e memorizável pelo eleitor.

A redação do § 2º NÃO PROÍBE NEM IMPEDE que tal autentificação seja feita, por exemplo, em formato de código de barras ou outra forma não legível, derrubando-se totalmente o argumento sobre eventual possibilidade de identificação posterior do voto do eleitor.


3) Garantia de Voto Único por Eleitor

A denúncia de possível votação repetida provocada pelo questionado § 5º, o qual determina que o equipamento de identificação do eleitor não tenha conexão elétrica ou lógica com o equipamento coletor do voto, está equivocada por confundir o ato de identificação do eleitor com o ato de liberação da urnas pelo mesário.

A redação do § 5º NÃO PROÍBE NEM IMPEDE que o mesário possa agir para liberar cada voto na urna eletrônica (digitando uma senha, por exemplo) permitindo, assim, que o equipamento coletor de voto trave após o voto de cada eleitor de maneira a impossibilitar a alegada repetição de votação.

Cabe lembrar que nas urnas biométricas atuais já é usada a liberação do voto por digitação de senha do mesário (Inc. XII, Art. 2º da Res. TSE 23.208/2010), ato que não é proibido pelo citado § 5º.


Desta forma, não são procedentes as arguições de inconstitucionalidade dos §§ 2º e 5º do Artigo 5º da Lei 12.034/2009 e tampouco cabe tal arguição relativa ao caput e §§ 1º, 3º e 4º do Artigo 5º da Lei 12.034/2009.

Nesses termos, para que seja respeitada o Princípio de Independência dos Poderes e a vontade do Legislador que, nos termos da lei, criou a Auditoria Automática do Resultado Eleitoral independente do software e por meio do Voto Impresso Conferido pelo Eleitor, devidamente sancionada pelo Presidência da República, e posto que os argumentos apresentados na referida ADI se mostram totalmente infundados, seja de razões jurídicas, técnicas ou fáticas, SOLICITA-SE ao eminente relator o não provimento total da ADI 4543 e nem do pedido liminar nela incluso.

Os signatários